Transparência

O semiárido paraibano, onde está Cajazeiras, entrará para o 4° ano sem chuvas. Açudes vazios, terra esturricada e animais que mais parecem esqueletos em pé emolduram o quadro dantesco desta seca nordestina.

Como extensão dessa triste realidade, a “cidade da cultura” ou “terra quem ensinou ao Paraíba a ler” vive momentos de estagnação econômica com atividadecomercial muita fraca. Poucas vendas, poucas compras, pouca geração de empregos…, poucas esperanças.

Nesse trágico cenário, mais trágico do que estas letras possam narrar, cabe ao poder público ainda mais responsabilidades. Num linguajar direto, quer dizer que, mais do que nunca, os prefeitos têm obrigação de dar aplicação correta das verbas públicas. Ou seja, dinheiro público é para ser investido nas demandas populares: pagamento da máquina administrativa, saúde, educação e limpeza públicas, principalmente! Tudo o mais, neste momento, é supérfluo e secundário.

Faço esta reflexão, face a notícia que li num portal eletrônico que a seguir transcrevo:
“Já estamos chegando ao final do mês de Outubro, apenas 64 dias nos separam de 2016, e até agora nenhum sinal por parte da administração municipal sobre a realização do Carnaval de Cajazeiras. A maior festa momesca do interior da Paraíba que atrai foliões de todo Norte-Nordeste, ainda não tem sequer a certeza da sua realização, uma vez que restando pouco mais de dois meses já que o Carnaval do ano que vem será mais cedo na primeira quinzena de Fevereiro com final programado para o dia 8, nada se ouve sobre os preparativos para o grande evento.”

Não sei quanto a vocês, mas a mim esta notícia causou total perplexidade. Como se pode falar em verba pública para carnaval do próximo ano quando estas verbas rareiam até para as prioridades acima elencadas? Como se pode falar em carnaval quando milhares de cajazeirenses da zona rural estão sem perspectivas futuras até que as chuvas cheguem e as águas do Rio São Francisco deságuem por aqui? Como falar em carnaval quando a água de beber já não é tão segura? Como pensar ou imaginar carnaval numa ambientação como esta? A quem pode interessar carnaval nesta época, senão aos vendedores de bancas, palcos e que tais?

Façam como Ricardo Coutinho: dinheiro pra festa, zero! Dinheiro público é pra investir no que produz e gera emprego, renda e bem estar social.

S O L T A S

. Lá em casa só faço churrasco e feijoada, depois de pagar água, luz, telefone, escola, feira…, as obrigações de um pai de família.O que alguns ‘empresários’ de olho nas verbas públicas querem é inverter essa lógica, ou seja: fazer primeiro o carnavalpara depois ver o que dá para pagar das obrigações. Para mim isso é crime de lesa- município!

. Marcondes Gadelha volta à Câmara Federal depois de muitos anos. Talento não lhe falta. A Paraíba ganha com sua presença no parlamento!

. Deus queira que chova e chova muito! Mas infelizmente as previsões não são boas. Economizar água é imperativo!

. A Cagepa e a Prefeitura já tomaram providências quanto a utilização de água potável para a construção civil? Isso é crime contra a vida!