O deputado estadual Jeová Campos (PSB) confirmou hoje (10), em discurso na tribuna da ALPB, que vai mesmo requerer uma licença para tratamento de saúde e que, provavelmente, se afastará dos trabalhos legislativos no início de novembro. “Vocês estão vendo o esforço que eu estou fazendo para poder falar. Fiz um conjunto de exames para poder entender qual é o problema da minha voz e já tenho mais ou mens um diagnóstico fechado e devo sim, me licenciar desta Casa para poder cuidar deste problema de voz”, disse Jeová.

Segundo o parlamentar, ele não está preocupado com quem vai assumir seu lugar durante sua licença. “O que eu sei e devo fazer é cuidar de mim, fazer esse tratamento o mais rápido possível, pois como deputado, advogado e professor universitário a voz é meu instrumento de trabalho e não posso prescindir dela, por isso, agora minha prioridade é ficar bom. É tanto que quando me perguntam quem vai assumir eu digo: eu nem sei. Eu só sei que eu preciso me licenciar para me cuidar”, afirmou Jeová.

O parlamentar disse ainda que antes de vir a ALPB na manhã desta terça-feira, esteve reunido com a direção da Cagepa para tratar da melhoria do abastecimento de água de Várzea da Ema, no Distrito de Santa Helena. “Esse é um clamor da população que me chegou através do vereador Marcos e que precisa ser solucionado o quanto antes, porque a população local está tomando água salgada, de poços artesianos e com o projeto que está em andamento na Cagepa a população daquela localidade poderá ter uma água de qualidade”, explicou Jeová.

O parlamentar também lamentou que a Imprensa deu, na semana passada, mais destaque a questão de sua licença que o anúncio feito pelo governado Ricardo Coutinho de destinar R$ 6 milhões do Empreender para fomentar o desenvolvimento do Polo Têxtil do Sertão, em Cajazeiras. “Esse grande gesto do governador, junto com a adoção de uma alíquota diferenciada para o setor de confecção e outras ações vão mudar a realidade do sertão paraibano e merecia maior destaque na Imprensa, mas, infelizmente deram mais ênfase a minha licença que a esse grande projeto”, reclamou Jeová.

Fontes: assessoria + REDAÇÃO