A vereadora Raissa Lacerda botou mais gasolina no incêndio que queima o juízo do prefeito Luciano Cartaxo, ao cobrar, hoje, na Câmara, o destino de 30 milhões de reais que, segundo ela, teriam sido desviados por Felipe Cartaxo para a Real Energy, a empresa que está envolvida no escândalo estourado na cidade de Patos após delação premiada de uma pessoa do Rio Grande do Norte. Felipe é parente do prefeito e assessor da Prefeitura e está denunciado pelo Ministério Público como participante do esquema de propina que resultou no desencandeamento da Operação Cidade Luz.

Na sua fala, Raissa ainda se refere aos 10 milhões que teriam sido desviados das obras da Lagoa.

A acusação de que Felipe Cartaxo teria recebido propina da Real Energy consta na peça acusatória do MPPB. O esquema foi desvendado pelo Gaeco da Paraíba a partir da delação premiada feito por um funcionário ao Ministério Público do Rio Grande do Norte.

Na sessão de hoje da Câmara Municipal, o líder do Governo, vereador Fernando Milanez, informou que o prefeito Luciano Cartaxo teria afastado o primo do cargo comissionado que exercia na Prefeitura Municipal.

PREFEITO AFASTA ASSESSOR

O prefeito Luciano Cartaxo (PV) afastou o assessor jurídico da Prefeitura de João Pessoa, Felipe Moreira Cartaxo de Sá, acusado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público da Paraíba (MPPB) de receber propina da empresa Real Energy, por ter intermediado um contrato fraudulento entre a empresa e a Prefeitura de Patos. Os fatos constam da investigação desencadeada pela operação ‘Cidade Luz’.

O afastamento de Felipe Cartaxo foi revelado na manhã desta quinta-feira (9) pelo vereador Milanez Neto (PTB), líder da bancada do prefeito na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), que ainda saiu em defesa da inocência do parente do prefeito de João Pessoa.

O envolvimento de Felipe Cartaxo no esquema de corrupção desvendado pelo Gaeco foi o principal tema das discussões no plenário da CMJP durante a sessão desta quinta.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: tiaolucena + REDAÇÃO