Depois de barrar as investigações por meio de liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a investigação sobre Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz vai sair da alçada do procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, chefe do Ministério Público estadual. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Na avaliação de investigadores, a condição de senaor empossado vai deslocar o processo de investigação. O caso contra o filho do presidente, que foi eleito senador, deve se deslocar para uma instância superior e o caso deve seguir para as mãos da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Mas caso o ministro Marco Aurélio, relator da ação no Supremo, entenda que eventual crime foi praticado antes de Flávio assumir cadeira no Senado, o caso fica no Ministério Público do Rio, mas sob a tutela de um promotor de primeira instância e não com o procurador-geral Eduardo Gussem.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes: brasil247 + REDAÇÃO